Bandas

 
  Raul Seixas

Raul Seixas nasceu em 28 de junho de 1945, em Salvador. Filho de família classe média era extremamente caseiro e adorava ler livros. Também escrevia suas histórias, todas elas tinham como personagem fixo um cientista maluco: Melô.
Na adolescencia desperta o interesse pela música de Luiz Gonzaga, Elvis Presley e Jerry Lee Lewis. Essa mistura cultural poderia ser facilmente percebida mais tarde, em toda a extensão de sua obra. 
Criou, no início da década de 60, a sua primeira banda, Raulzito e os Panteras, que apesar de ter sido a banda de Rock mais popular da Bahia na época, resultou em um grande fracasso de vendas. 
Raul Seixas decepcionado, começou a trabalhar na gravadora CBS, atual Sony, do Rio de Janeiro, onde seria o produtor dos grandes artistas da jovem guarda como Jerry Adriani, mas foi demitido quando descobriram que, sem permissão, havia gravado o álbum “Sociedade da Grã Ordem Kavernista Apresenta: Sessão das Dez”, utilizando os estúdios da empresa. 
Desempregado, decide tentar a sorte novamente como cantor e participa do FIC, Festival internacional da Canção, evento realizado pela Rede Globo, em 1972. A música “Let Me Sing Let Me Sing”, chegou até as finais e toda essa exposição na mídia, valeu-lhe a gravação do compacto “Ouro de Tolo” pela Philips, que lançaria, no ano seguinte, o seu álbum de estréia. 
Em 1973,  Raul Seixas lança “Krig-Ha Bandolo!”, esse disco trazia letras em parceria com nada menos que o esotérico e mago Paulo Coelho e, após fundarem o movimento da Sociedade Alternativa, são exilados para os Estados Unidos, por serem considerados subversivos pelo regime militar. 
Em 1974, após o lançamento do clássico “Gita”, Raul retorna ao Brasil e acompanha a excelente repercussão do trabalho. Durante os anos 70, ainda gravou vários hits, entre eles “Carimbador Maluco”, “Há Dez Mil Anos Atrás” e “O Dia em que a Terra Parou”. 
Na década de 80, Raul começou a apresentar sérios problemas de saúde, relacionados principalmente ao consumo excessivo de álcool, o que começou a prejudicar visivelmente a sua carreira. Mesmo assim, continuou gravando faixas inesquecíveis como “Metamorfose Ambulante”, “Al Capone”, “Mosca na Sopa”, “Maluco Beleza”, “Rock das Aranha”, “Plunct Plact Zum”, “Metrô Linha 743”, “Cowboy Fora da Lei”, entre outras de suma importância para a música brasileira. Em 1988, iniciou uma parceria com Marcelo Nova, resultando no que seria o último álbum inédito do Maluco Beleza, intitulado “A Panela do Diabo”, lançado em 1989. Nesse mesmo ano, porém, Raul teve sérias complicações de saúde e veio a falecer, em 21 de Agosto, devido a uma pancreatite aguda, causada pelo álcool. 
Mas o mito Raul Seixas não morreu: quando hoje nos deparamos com os inúmeros fã clubes, artistas covers, regravações de suas músicas por músicos consagrados, o lançamento constante de coletâneas e o de cerca de 13 livros a respeito de sua vida e sua obra, temos a certeza de uma coisa – a certeza de que a mensagem foi passada, a certeza da missão cumprida.  
Em 2003, comemorando 30 anos do primeiro lançamento solo de Raul, chega às lojas "Anarkilópolis". O álbum é, na verdade, uma compilação de faixas em que grandes nomes da música tiveram partipação especial como Sérgio Dias, Pepeu Gomes, Marcelo Nova e Frejat. O destaque, no entanto, fica com a inédita "Anarkilópolis", composta e gravada em 1984 e que é considerada a primeira versão de "Cowboy Fora da Lei".

 


RÁDIO UNIFEV FM
FREV - Fundação Rádio Educacional de Votuporanga

08/05/2006 - 17h36min